LiveZilla Live Help

Página Inicial > Notícias

Revolução de 1932 no Vale do Paraíba.

07/07/2014 22:23:51

Desde o início das operações de Guerra em 1932, os paulistas enxergaram na região do Vale do Paraíba um importante teatro de operações, pois seria por ali que as forças constitucionalistas alcançariam o Rio de Janeiro para então depor o ditador Getúlio Vargas.  Além disso, sendo eixo de ligação entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro era de vital importância estratégica para ambos os lados.

Ali se travaram alguns dos mais sangrentos combates do período.

Também conhecida como Frente Norte, a Frente do Vale do Paraíba estava sob o comando do Coronel Euclydes Figueiredo sob a designação de Segunda Divisão de Infantaria em Operações, ou simplesmente 2º DIO – que compreendia os destacamentos Coronel Andrade, Coronel Abílio de Resende, Coronel Paiva Sampaio e o Destacamento Coronel Mario da Veiga Abreu.

Operaram no setor as seguintes tropas paulistas:

Batalhões de Voluntários: Amador Bueno, Borba Gato, Voluntários de Piratininga, José Bonifácio, Bahia, Jaques Félix (Taubaté); General Osório, 1º de Justiça, Santos Dumont, Saldanha da Gama, 1º Batalhão de Funcionários Públicos, Arquidiocesano, 7 de Setembro, Piracicabano, Ferroviário, Henrique Dias (1º Batalhão da Legião Negra), Campos Sales, Liga de Defesa Paulista,  Tiro Naval de Santos,  Brigada Minas Gerais, Paes Leme,  Bento Gonçalves, Batalhão Operários de Santos, Batista da Luz, Destacamento Agnelo do Batalhão de Assalto, Falange Acadêmica de Santos, Coluna Capitão Sandim do Batalhão Marcílio Franco, Batalhão de Marília, Batalhão de Mato Grosso, Batalhão d´Oeste, 1º e 2º Batalhões de Engenharia do MMDC.   

Batalhões da Força Pública e do Estado: 1º, 2º, 5º e 8º Batalhões de Caçadores, 2ª Cia do Corpo de Bombeiros, 1º e 3º Esquadrões do Regimento de Cavalaria,  4ª Cia Extra, 8º Batalhão de Caçadores da Reserva, 2º Corpo de Voluntários Auxiliar da Força Pública, 5º Corpo Provisório.

Batalhões do Exército: 4º RC de Quitaúna, 5º RI de Lorena, 6º RI de Caçapava, 4º BC da Capital, 1º, 2º, 4º, 5º, 7º e 9º Batalhões de Caçadores da Reserva, 2º RDC Pirassununga, 5º RCD Castro (Paraná), 2º GAP de Quitaúna, 2º GAP de Jundiaí, 4º RAM de Itú, 12º RI de Minas Gerais e Trem Blindado Nº 6.

Os paulistas chegaram no túnel da Estrada de Ferro da Central do Brasil, na Mantiqueira já no dia 10 de Julho.

Forças dos Destacamentos Agnelo e Andrade chegaram em Salto e aguardaram mineiros e gaúchos para juntos entrarem no Rio de Janeiro.

A estratégia paulista previa a rápida conquista da cidade fluminense de Resende, e apoiada por tropas mineiras, a marcha em direção à cidade do Rio de Janeiro.

Porém com a falta de apoio de Minas Gerais as tropas paulistas demoraram a se mover em direção a Resende e logo se viram defendendo o território paulista das tropas federais.

Ficava então estabelecida uma guerra estacionária de defesa e de trincheiras neste setor.

Nas memórias de Euclydes Figueiredo ele destaca que tentou em vão convencer seus comandados da necessidade do avanço para Resende, mas a falta de armas e equipamentos fez a tropa paulista ficar detida em Cruzeiro.

Além de alguns tiroteios em São José do Barreiro, os lados opostos apenas se observavam no início da guerra.

Em meados de Julho, o Coronel Daltro Filho, do 3º Regimento de Infantaria, toma a iniciativa e avança sobre as tropas paulistas na estação de Engenheiro Passos, ponto estratégico entre os três estados  situada às margens da Rodovia Presidente Dutra.

Houveram inúmeras outras investidas federais, mas foi no final de julho que Góes Monteiro comandou uma grande ofensiva em toda a linha do Vale.

Dispondo de artilharia e canhões da Marinha montados em vagões ferroviários, bombardeou fartamente posições paulistas em Queluz e Vila Queimada.

Era incontestável a fragilidade das linhas paulistas, compostas por soldados repletos de civismo e senso de dever, porém mal armados, inexperientes e carentes de liderança militar.

No Setor do Túnel, os paulistas eram atacados por duas unidades completas do Exército e mais de 1500 policiais mineiros. Foram aproximadamente noventa dias de combates neste setor, até dia 8 de setembro.

Piquete, Fazenda Boa Vista, Pinheirinho, Lavrinhas, Jataí eram tomadas pelos federais e a defesa paulista centralizou-se em Guaratinguetá – que acabou se tornando alvo do mais intenso bombardeio da campanha.

Inúmeras cidades do Vale sofreram terrivelmente com a guerra.

Fonte: O Lince , texto de Ricardo Della Rosa.


Associação de Guias do Circuito Turístico 2016 - Todos os direitos reservados.
(12)9 9249 4699 [Claro] / (12)9 9656 5298 [Vivo] / (12)9 8896-5438 [Oi]
Desenvolvimento: